quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Conto: Páginas da vida - Parte II


Oi gente!

E aí, gostaram da primeira parte?Bora continuar?rs



Depois daquele primeiro beijo, tudo mudou.
Um constrangimento que nunca existiu, se instalou entre eles. 
Como isso aconteceu? Questionavam incrédulo os dois.
Eles eram amigos.
Confidentes um do outro.
Nunca imaginaram que algo assim pudesse acontecer. Mas, aconteceu.
Então constrangido, ele se foi.
No inicio, ela respirou aliviada com sua partida.
Mas aquele beijo....
E tudo então começou a mudar.
Seus livros, perderam um pouco o encanto.
Seus sonhos mudaram de rumo.
Porque agora, seus pensamentos, eram apenas para ele...
Então, constrangido ainda e sem saber o que o esperava, ele voltou.
O coração dela acelerou como nunca antes tinha acontecido. Eles se cumprimentaram sem se tocar. Os abraços afetuosos que antes trocavam, agora parecia estranho.
Ela não conseguia olhá-lo nos olhos.
Ele também não.
E os dias foram passando...
Agora seu sonho era ele.
Ele com seu sorriso fácil.
Ele com seus olhos incríveis.
Ele com seu cheiro único.
Ele que a conhecia melhor que ninguém.
Ele que era seu melhor amigo.
Sem poder mais evitar um ao outro e tentando superar todo o constrangimento do primeiro beijo, eles ficaram a sós.
E devagarzinho, a mão dele tateou em busca da dela.
Seus dedos se entrelaçaram.
Seus corações estavam acelerados.
Então, no silêncio daquela manhã, eles se olharam novamente.
Olhos nos olhos.
Sem desviar.
E, ainda com os dedos entrelaçados, sem falar uma única palavra, ele a beijou.
E ela teve certeza...
Não foi um sonho.
Seu coração acelerado batendo no mesmo ritmo do dele, respondeu a perguntas não feitas.
E naquela manhã ensolada, com os dedos entrelaçados, e os corações batendo em um único ritmo, ela descobriu que o amava.
Seu coração adolescente, cheio de sonhos, palavras e risos agora batia mais rápido.
Por ele.
E eles decidiram guardar segredo do amor recém descoberto.
Afinal, todos olhavam para os dois como melhores amigos, quase irmãos.
E o sentimento que se infiltrou devagar no coração de ambos, ainda era frágil...precioso... precisava ser preservado.
Então eles começaram a viver esse amor sutil em segredo.
Mas, se qualquer pessoa parasse para observá-los, perceberia...
Eles estavam apaixonados um pelo outro. E nada era melhor que isso.
Nada.

Continua...


"O coração tem razões que a própria razão desconhece"
                                                                  Blaise Pascal


Beijos!
Sheila Guedes

Um comentário:

  1. A forma de apresentar o texto e a maneira como a história nos envolve e cativa são traços marcantes e inerentes à escrita de Sheila Guedes.

    ResponderExcluir