sexta-feira, 1 de maio de 2015

Letras e aspas: Sexo como prova de amor.

Bom dia, gente!

Quero hoje convidar você para refletir sobre um tema polêmico entre os casais, principalmente aqueles que estão juntos há muitos anos: o sexo.
Estava lendo um artigo onde especialistas afirmavam que o índice de traição entre casais que
estão juntos há mais de dez anos é alarmante.
Segundo o artigo, isso se explicaria pelo "sexo meia boca" entre esses casais.

Curioso, não?

É interessante se refletirmos que  o sexo nada mais é que
uma comunhão entre os corpos, e que deveria ser  algo muito mais íntimo com o passar do tempo. 

Talvez a rotina e a certeza da conquista impeça que casais tentem surpreender um ao outro. 

Não estou falando de se fantasiar de colegial ou enfermeira para esperar seu marido ou namorado (nada contra,  viu gente?rs)  estou falando de surpreender tomando a iniciativa ou demonstrando desejo quando sentir.

Sair da forma passiva e assumir suas vontades.

Ter coragem para dizer o que sente, e lutar para vencer o constrangimento se por ventura, surgir.

E o principal: entender que o sexo é tão importante numa relação quanto qualquer outro sentimento. 

Casais que não sentem desejo um pelo outro?

É no minimo, estranho.

Então querido(a), assuma o que tem vontade e reconquiste diariamente seu amor.
Seja ele  quem for.

E se nunca sentir vontade de estar ligada mais intimamente ao seu amor, reveja essa relação pois ela pode ter se transformado em uma amizade cômoda e  para fluir bem esse relacionamento é preciso que seu amor sinta o mesmo por você.

Desejo unilateral nunca é legal (até rimou :D)
"Falei" muita bobagem?rs

Deixo vocês  com a magnifica  Hilda Hist.


Aflição


Aflição de ser eu e não ser outra.
Aflição de não ser, amor, aquela

Que muitas filhas te deu, casou donzela

E à noite se prepara e se adivinha

Objeto de amor, atenta e bela.



Aflição de não ser a grande ilha

Que te retém e não te desespera.

(A noite como fera se avizinha)



Aflição de ser água em meio à terra

E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel

Não saber se se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.
E sendo água, amor, querer ser terra."
 (Hilda Hist)

E por que haverias de querer minha alma na tua cama?

Disse palavras líquidas, deleitosas, ásperas
Obscenas, porque era assim que gostávamos.


Mas não menti gozo prazer lascívia

Nem omiti que a alma está além, buscando

Aquele Outro. E te repito: por que haverias

De querer minha alma na tua cama?


Jubila-te da memória de coitos e de acertos.

Ou tenta-me de novo. Obriga-me.
(Do Desejo - Hilda Hilst - 1992) 






Beijo em todos e obrigada pela visita!
Sheila Guedes